Arquivo Pessoal de António Eça de Queirós

Description level
Fonds Fonds
Reference code
PT/ADPRT/PSS/APAEQ
Title type
Atribuído
Date range
1890-01-01 Date is certain to 1965-01-01 Date is certain
Dimension and support
Papel
Biography or history
António Eça de Queirós foi o terceiro filho do escritor Eça de Queirós. Nasceu em Paris no ano de 1889 vindo a morrer em Lisboa em 1968.

Após a morte de Eça acompanhou a família para Portugal tendo realizado os seus estudos secundários em diversas localidades em Portugal, como Braga e Beja. Frequentou igualmente a Escola Politécnica. Cartas enviadas para a mãe bem como a presença frequente de explicadores indicam não se ter tratado de um aluno demasiado aplicado. Entra para a academia militar em 1909, servindo o exército como alferes miliciano até 1910. Após a instauração da república, António juntamente com seu irmão, ambos monárquicos convictos, junta-se às forças rebeldes de Paiva Couceiro, tendo-as acompanhado no refúgio da Galiza, integrando as sucessivas e falhadas tentativas de restauração da monarquia. Sobre este período da sua vida que de resto recorda com saudade, deixa escrito o seu livro “Na Fronteira” que pretende ser um relato documental da campanha monárquica. Em 1914 encontrámo-lo, já casado, em Aveiro onde aguarda a ordem de desmobilização cumprindo aí serviço no regimento.

Segue-se uma fase conturbada da sua vida em que após o seu casamento com Cristina Rino (da qual de resto se virá a divorciar litigiosamente em 1923), filha de um abonado proprietário do Ribatejo (Alcobaça), se dedica convictamente à literatura e concursos hípicos e, casuística e pausadamente à administração agrícola. Virá a desenvolver, embora aparentemente sem grande sucesso, diversa actividade numa esfera de negócios privada, através da sua participação na direcção tanto da Companhia Agrícola e Fabril da Guiné, como nos Serviços Aéreos Portugueses, companhia precursora da aviação comercial no nosso país.

Apoiante fervoroso de Salazar e adepto de ideologia fascista e pró-nazi, sempre manifestou ostensivamente as suas posições políticas através de inúmeros artigos publicados em periódicos nacionais e estrangeiros. Após 1928, veio a merecer a confiança do Estado Novo através dos cargos que lhe foram atribuídos sempre relacionados com a propaganda e informação. Foi chamado como sub-director ao SNI, por António Ferro, com quem sempre trabalhou, ascendendo entre 1950 e 1951 à sua direcção. Nesse mesmo ano assume a presidência da Emissora Nacional, cargo que desempenhará até à sua reforma.

No ponto de vista literário António alimentou algumas pretensões como escritor, através da publicação de romances e vários contos (Ver SR: 011). Sempre assumiu uma posição de intransigente defesa da memória de seu pai, bem como dos seus direitos de autor, contrariando inclusivamente algumas directivas e acções do próprio SNI (Ver SR: 023). Participou largamente em efemérides comemorativas de Eça de Queirós, sendo co-fundador do Círculo Eça de Queirós de que foi sócio nº 2.

Membro da Legião Portuguesa onde foi Comandante de Terço, foi igualmente adepto e praticante apaixonado de equitação, tendo sido sócio do Clube Tauromáquico.

Alguma documentação patente neste arquivo permite pensar ter António esboçado a realização das suas memórias que, tanto quanto sabemos, não foram terminadas (Ver SR: 002)
Custodial history
A documentação deste fundo (assim como a do fundo pessoal de Eça de Queirós e da sua família/Condes de Resende) manteve-se na posse da família. Foi descrita e organizada em 1996 e 1997 pelo ADP, em resultado de protocolo estabelecido entre o ADP, a Fundação Eça de Queirós e o Inventário do Património Cultural. Em 2000 foi publicado pelo ADP um CD-Rom dedicado a Eça de Queirós (por ocasião do centenário do seu falecimento), baseado em materiais deste arquivo pessoal e familiar de Eça de Queirós. Esta documentação continua à guarda da Fundação Eça de Queirós, embora a sua descrição seja disponibilizada pelo ADP e DGLAB, através da aplicação Digitarq.
Acquisition information
A documentação não foi incorporada no ADP e encontra-se na Fundação Eça de Queirós (Tormes, Baião). Site da FEQ: www.feq.pt
Scope and content
Documentos públicos e privados produzidos e acumulados por António Eça de Queirós
Arrangement
O acervo documental autonomizado do conjunto da família de onde António emerge, encontrava-se fisicamente separado da restante documentação, constituindo um conjunto de pequenas dimensões. Encontrava-se maioritariamente em pastas em que se encontrava aposta uma classificação. Desta forma sendo evidente um sistema de classificação documental, optou-se, sempre que exequível, por manter a ordem original observada.

Muitas vezes se constatou existir miscelânea entre documentos de caracter privado e institucional, dentro de uma mesma pasta. Optou-se nesse caso por atribuir a classificação dentro do âmbito institucional em que se encontravam os documentos fazendo referência à existência de documentos passíveis de inserção num contexto de actividade privada que constituirão uma série tipologicamente idêntica - apesar de contextualmente diversa -, apontando como unidade de instalação essa mesma pasta.

Embora se tenha mantido a ordem primitiva era impossível a conservação das pastas originais, quer pelas suas características físicas (ferragens) que já tinham deteriorado documentos, quer ainda por se encontrarem na maior parte dos casos em precárias condições de solidez. Assim procedeu-se à sua reinstalação em pastas ou capilhas desacidificadas dando em nota a classificação da pasta original
Access restrictions
Definidas pela Fundação Eça de Queirós.
Conditions governing use
Definidas pela Fundação Eça de Queirós.
Language of the material
Por (português); fre (francês); spa (espanhol)
Physical characteristics and technical requirements
Regular
Other finding aid
DigitArq: base de dados de descrição arquivística
Creation date
3/25/2011 12:00:00 AM
Last modification
1/9/2024 12:45:31 PM